/
0 Comments
Não acredito em coincidências, mas aparentemente o universo sempre coincidiu ao meu favor. Também não acredito em destino ou que o futuro está escrito em folhas de chá. Somos conclusões de nós mesmo, de nossas decisões, as boas e as más, e acho que desde o início não fui uma boa ação.

Não acredito que poderia mudar toda minha vida se tivesse parado por cinco minutos para tomar aquele café ou tivesse notado meu cadarço desamarrado. Sei bem que nó algum poderia mudar minha vida e laço nenhum faria do mundo um lugar melhor.

E quanto a todos as vezes que atropelei paixões desinibidas por aí, pode ser que seja apenas essa tal de lei da atração mostrando o seu lugar em meu mundo, dizendo que aqui pode ser um local melhor.

Há em mim uma sede inebriante por bagunça, um cabelo desgrenhado, uma poesia inacabada, uma camisa amassada, uma calça rasgada, um tênis surrado e até mesmo um sorriso meio torto. São as imperfeições que tornam a singularidade de cada um interessante, essas regras de tudo perfeitamente arrumado são cansativas e idiotas.

Se for viver não tema um destino, mas sim viva um milhão de possibilidades, se for para respirar que seja fundo e sem medo e se for para saltar que se seja de cabeça, mas só quem pula de olhos fechados são aqueles que não vem nada além da escuridão.




You may also like