/
0 Comments


Ela não merecia um premio por pensar antes de agir, pois apenas seguia a regra que para toda ação há uma reação e tinha medo de todas as reações que não podia prever. Apesar de parecer saber exatamente quem era e estar completamente acomodada, não sabia nem mesmo o que era se sentir bem ou estar bem, não conseguia nem falar seu endereço sem se perder e tinha medo de todas as duvidas e as verdades não absolutas. Sabia que deveria se encontrar, mas não antes de se perder e isso a aterrorizava, pois tinha medo de tudo que se perderia no caminho, alem de si. 

Apreciava os meios termos só quando não lhe envolviam. Considerava todas as perguntas e olhares invasivos e o amor quando a via sempre atravessava a avenida para não lhe encontrar. Ela não amava, nunca amara, nunca soube nada sobre nenhuma espécie de amor e nunca foi popular, nem foi filha e provavelmente jamais seria mãe ou amiga. 

Passava o dia se fazendo perguntas estúpidas e doando sorrisos a mendigos de afeto, apesar de nunca ganhar nada benevolente. Sua existência não passava de uma duvida, ninguém soube lhe dizer de onde veio ou para quê, se é que tinha alguma razão nesse todo. 

Não entendia as pessoas e suas vidas confusas, mesmo sendo a pessoa mais perdida no mundo. Apesar de ser importante não se importava, não tinha nem mesmo um nome, afinal não merecia um, não merecia nada e mesmo assim merecia tudo.


You may also like